segunda-feira, 25 de julho de 2011

Um mês. Minha princesinha faz um mês.

Nossa, passou bem rápido. Mas já passamos muitas dificuldades. Essa fase de adaptação é muito complicada. Minha bebê ainda está se adaptando a seu novo ambiente, barulhento e claro demais. Ela ficou com catarrinho no nariz, nos seus primeiros dias, não respirava, engasgava porque devia estar também na garganta. Nossa, dá muita aflição não poder evitar o sofrimento de uma pessoa tão frágil. Chorei muito nesses dias, não dormi nada, olhando-a a noite toda, levei à pediatra e ela disse que era normal, que era só pingar SORINE que ia melhorar. De fato melhorou, demorou um pouco, mas foi a primeira dificuldade que me deixou triste. Enfim, passamos por essa.

Tive problema e dificuldade na amamentação. A dor que eu sentia era tanta que eu estava achando pior do que a dor da operação. Oh, Deus. Como eu sofri. Urrava de dor, chorei colocando o seio na boca da minha neném, que ainda não sabia como pegar o seio e mamar. Tive que ensinar uma coisa que eu nem mesmo sabia como fazer. Muitas pessoas me ensinaram, mas foi bem difícil conseguir colocar toda a auréola numa boca tão pequena. O que me ajudou muito foi o uso de uma pomada, a Lanidrat, foi o que me aliviou e aos poucos fui me acostumando e conseguindo dar o seio corretamente. Pensava que era uma coisa simples, que aconteceria naturalmente, que era só colocar o bebê na posição correta, aguardar ele mamar e colocar no berço que ele dormiria e PRONTO!!! Me enganei, mesmo porquê, antes do parto, li muito sobre outros assuntos e deixei o fator amamentação de lado, por pensar que era fácil.
Aos poucos, essa questão vai ficando mais tranqüila. Agradeço a Deus pela minha mãe também, porque se não fosse ela pegar a Anna várias vezes pra que eu descanse, não sei o que seria de NÓS.

Outra dificuldade é o sono dela. No início, era difícil ela acordar pra mamar. Eu tinha que acordá-la depois de umas 4 ou 5 horas, porque ela caia num sono intenso. Agora mama de 2 em 2 hs. Tem dias que ela mama o dia todo  e ainda assim chora, não consigo saber se está satisfeita ou com alguma dor, porque ela não quer dormir de jeito nenhum. Como seria bom se o seio fosse transparente, com os risquinhos indicando quantos mililitros de leite já foram tomados!  Tive que dar o NAN já (30 ml), depois disso ela dorme melhor. Foi o que pude fazer. Fico exausta e quando fico assim, me dá irritação. Por vezes fiquei tão irritada e estressada que pensei na possibilidade de não ser capaz de ser mãe. Minha filha dorme muito mal, se mexe o tempo todo e dorme pouco.
É um desafio pra mim, um desgaste físico e emocional intenso. Às vezes me dá uma angústia e me sinto um “grande peito”, já que tenho um bebê recém-nascido que mama quase o dia inteiro e à noite e de madrugada também! Li que “Há crianças que requisitam o seio o tempo todo, mas não porque estejam com fome, e sim porque precisam do conforto de sugar alguma coisa.” E esse, com certeza, é o caso da minha pequena.
Li também que “Ficar sem dormir adequadamente pode deixar você confusa e irritada não só em casa, como também no trabalho, além de abrir caminho para sentimentos de raiva em relação ao bebê. ” Outra verdade.

1 mês


Minha bebê já mudou bastante.

Tá bem diferente. Os olhos estão ficando castanhos cada vez mais. Os cabelos estão enrolando, a pele já parou de descascar.

O papai já está se interessando. Ligou algumas vezes pra saber de nós, vai dar o nosso dinheirinho e quer nos ver. Isso me alegra demais, porque independente de dinheiro, quero a presença dele em nossas vidas.  Estamos conversando amigavelmente, então  espero que essa harmonia cresça e nos faça feliz!

Beijos.
sexta-feira, 22 de julho de 2011


Antes de ser mãe, eu fazia e comia
os alimentos ainda quentes.
Eu não tinha roupas manchadas,
tinha calmas conversas ao telefone.
Antes de ser mãe, eu dormia o quanto eu queria,
Nunca me preocupava com a hora de ir para a cama.
Eu não me esquecia de escovar os cabelos e os dentes.

Antes de ser mãe,
eu limpava minha casa todo dia.
Eu não tropeçava em brinquedos e
nem pensava em canções de ninar.
Antes de ser mãe, eu não me preocupava:
Se minhas plantas eram venenosas ou não.
Imunizações e vacinas então,
eram coisas em que eu não pensava.

Antes de ser mãe,
ninguém vomitou e nem fez xixi em mim,
Nem me beliscou sem nenhum cuidado,
com dedinhos de unhas finas.

Antes de ser mãe,
eu tinha controle sobre a minha mente,
Meus pensamentos, meu corpo e meus sentimentos.

Antes de ser mãe,eu nunca tive que
segurar uma criança chorando,
para que médicos pudessem fazer testes
ou aplicar injeções.
Eu nunca chorei olhando pequeninos
olhos que choravam.

Nunca fiquei gloriosamente feliz
com uma simples risadinha.
Nem fiquei sentada horas e horas
olhando um bebê dormindo.

Antes de ser mãe, eu nunca segurei uma criança,
só por não querer afastar meu corpo do dela.
Eu nunca senti meu coração se despedaçar,
quando não pude estancar uma dor.
Nunca imaginei que uma coisinha tão pequenina,
pudesse mudar tanto a minha vida e
que pudesse amar alguém tanto assim. 
E não sabia que eu adoraria ser mãe.

Antes de ser mãe, eu nunca me levantei
à noite toda , cada 10 minutos, para me
certificar de que tudo estava bem.
Nunca pude imaginar o calor, a alegria, o amor
a dor e a satisfação de ser uma mãe.
Eu não sabia que era capaz de ter
sentimentos tão fortes. 

Por tudo e, apesar de tudo, obrigada Deus,
Por eu ser agora um alguém tão frágil
e tão forte ao mesmo tempo.
Obrigada meu Deus, por permitir-me ser Mãe!



(Silvia Schmidt)
quinta-feira, 14 de julho de 2011



Finalmente conseguirei postar meu relato de parto e os dias que se seguirão depois dele. Anninha mudou toda minha vida e rotina, então não estou tendo tempo para fazer muita coisa.

Bem, correu tudo bem no parto. O que deu um pouco de ansiedade e até raiva foi o médico ter marcado para 7 da manhã e ter chegado só 13 hs (No dia 25/06). A minha ansiedade e a dos parentes e amigos já estava em ebulição. Tive que ir para o quarto aguardar a chegada do médico (sem me alimentar) e a tão esperada hora de ouvir o chorinho da minha bebê, que estava agitada dentro da barriga.

Já estava na hora, adorava sentir minha pequena dentro de mim, mas a barriga baixando, a mudança de lua, as dificuldades para fazer as coisas sozinha e outros indícios de que Anninha tinha que chegar ao mundo nos deixavam apreensivas. 

Enfim. Eu tinha mais medo da anestesia do que de todo o resto. Foi ruim mesmo. Depois me deu tonteira, nervosismo, agonia, falta de ar, etc. Mas e quando ouvi o choro da Anna?? Nossa!!! Tudo foi esquecido. Que alegria! Chorei junto com ela. E queria chorar mais se pudesse. Queria pegá-la. Agarrá-la e dizer que tudo ia dar certo, que nós seríamos muito felizes e amigas, mesmo com toda aquelas dificuldades, inclusive com a ausência do papai, que seria muito importante se estivesse por perto.

O amor explode logo! É impressionante.

Depois que a pequena nasceu, eu fiquei ainda “grog”, mas ainda ansiosa. Perdi um pouco as forças. Levaram-na para os primeiros cuidados. Não gostei da dor do corte, é claro. Me deu quase um ataque de nervos porque eu não podia me mexer e nem colocar travesseiro debaixo da cabeça. Depois me trouxeram ela e eu fiquei com a adrenalina a mil, não conseguia dormir, só olhar pra ela e tentar amamentar, o que me deu um pouco de trabalho. 
________________________________

No dia 25/06/20111, às 13:50, com 2,880 Kg e 47 Cm. Linda de viver!! Linda, linda, linda!!! Não sei explicar, agradeço Deus por ter me dado uma criança tão linda e perfeita.

A ficha de repente cai: tem um bebê em minha vida! Ele é todo meu, mora na minha casa e depende inteiramente de mim!!  Meu bebê nasceu! Junto com a alegria e a emoção também vieram a insegurança e o medo de tomar conta de um bebezinho tão frágil. Ensinar o passo-a-passo da vida, quando nem mesmo eu sei como fazer. Sei que as primeiras semanas vão ser Caóticas, já estão sendo, muitas dificuldades.

O PARTO: 

A maior emoção: Na hora em que ouvi o choro dela!!! Chorei juntinho!!! Se pudesse, me esguelava, como ela.

A Parte ruim: Anestesia, demora, espera, tonteira, etc. Muito ruim.

A dor: Incômoda. Não poder se mexer, levantar sozinha, ir ao banheiro dói, tossir dói, tudo dói.

AMAMENTAR: 

Nossa! Que tarefa difícil!! Muito emocionante, mas difícil. Anna está se adaptando ao seio e eu aprendendo a ensinar a mamar. Ela demora a pegar o seio e dóóóóóói horrores. Já estão machucados, tive que pagar uma fortuna de pomada para cicatrizar. Eu estava urrando e chorando de soluçar pra amamentar, agora até que melhorou. Meus seios estão cheios de leite, ficam duros como pedra e pingando. ANNA não tem hora certa pra mamar. Tenho ficado até as 4 da manhã acordada amamentando. Que sufoco. MAS é uma coisa legal ver aquele boquinha sugando com força, matando a fome, alternando entre cochilos e sugadas, fazendo cada bico!!! Lindooooo!!!


(POST INTERROMPIDO POR UM CHORO GOSTOSO)

Té mais.

Receba atualizações no Email.

Pesquisar sobre

Quem sou eu

Minha foto
Aos 34 anos, sagitariana com ascendente em capricórnio (discordo, mas fazer o quê?!), do Rio de Janeiro (com louca vontade de morar num lugar tranquilo), estudante de psicologia (mas cheia de problemas de cabeça. rsrrsrsrs), mãe e pai da pequena Bia, de 5 anos. E esse blog fala da nossa trajetória, dos meus sentimentos, minhas muitas lamentações, etc.

Seguidores

Tecnologia do Blogger.